Início   |  Partidas e Ciladas  |   Problemas   |  Contato   |  Links   

sábado, 6 de dezembro de 2008

As Pretas jogam e ganham. Qual é o lance correto?
Black to play and win. What's the correct move?
Las Negras juegan y ganan. Cual es la mejor jugada?

segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

Four Quick Checkmates - See four famous early game checkmates.
Cuatro Jaquemates Rápidos - Vea cuatro famosos jaquemates de comienzo de juego.
Quatro Mates Rápidos - Veja quatro famosos xeque-mates de início de jogo.



Play chess online!






Play chess online!






Play chess online!







Play chess online!

sábado, 13 de setembro de 2008

Benjamin Franklin


The Morals of Chess- by Benjamin Franklin, 1779 -- See in english

Playing at Chess, is the most ancient and the most universal game known among men; for its original is beyond the memory of history, and it has, for numberless ages, been the amusement of all the civilized nations of Asia, the Persians, the Indians, and the Chinese. Europe has had it above a thousand years; the Spaniards have spread it over their part of America, and it begins lately to make its appearance in these States. It is so interesting in itself, as not to need the view of gain to induce engaging in it; and thence it is never played for money. Those, therefore, who have leisure for such diversions, cannot find one that is more innocent ; and the following piece, written with a view to correct (among a few young friends) some little improprieties in the practice of it, shows at the same time that it may, in its effects on the mind, be not merely innocent, but advantageous, to the vanquished as well as to the victor. The Game of Chess is not merely an idle amusement. Several very valuable qualities of the mind, useful in the course of human life, are to be acquired or strengthened by it, so as to become habits, ready on all occasions. For Life is a kind of Chess, in which we have often points to gain, and competitors or adversaries to contend with, and in which there is a vast variety of good and ill events, that are, in some degree, the effects of prudence or the want of it. By playing at chess, then, we may learn,

I Foresight , which looks a little into futurity, and considers the consequences that may attend an action ; for it is continually occurring to the player, "If I move this piece, what will be the advantages of my new situation? What use can my adversary make of it to annoy me? What other moves can I make to support it, and to defend myself from his attacks?"

II. Circumspection , which surveys the whole chess-board, or scene of action, the relations of the several pieces and situations, the dangers they are respectively exposed to, the several possibilities of their aiding each other, the probabilities that the adversary may make this or that move, and attack this or the other piece ; and what different means can be used to avoid his stroke, or turn its consequences against him.

III. Caution , not to make our moves too hastily. This habit is best acquired by observing strictly the laws of the game, such as, "If you touch a piece, you must move it somewhere ; if you set it down, you must let it stand:" and it is therefore best that these rules should be observed, as the game thereby becomes more the image of human life, and particularly of war; in which, if you have incautiously put yourself into a bad and dangerous position, you cannot obtain your enemy's leave to withdraw your troops, and place them more securely, but you must abide all the consequences of your rashness.

And, lastly, we learn by chess the habit of not being discouraged by present bad appearances in the state of our affairs, the habit of hoping for a favorable change , and that of persevering in the search of resources . The game is so full of events, there is such a variety of turns in it, the fortune of it is so subject to sudden vicissitudes, and one so frequently, after contemplation, discovers the means of extricating one's self from a supposed insurmountable difficulty, that one is encouraged to continue the contest to the last, in hopes of victory by our own skill, or, at least, of giving a stale mate, by the negligence of our adversary. And whoever considers, what in chess he often sees instances of, that particular pieces of success are apt to produce presumption, and its consequent, inattention, by which more is afterwards lost than was gained by the preceding advantage, while misfortunes produce more care and attention, by which the loss may be recovered, will learn not to be too much discouraged by the present success of his adversary, nor to despair of final good fortune, upon every little check he receives in the pursuit of it, That we may, therefore, be induced more frequently to choose this beneficial amusement, in preference to others which are not attended with the same advantages, every circumstance which may increase the pleasures of it should be regarded; and every action or word that is unfair, disrespectful, or that in any way may give uneasiness, should be avoided, as contrary to the immediate intention of both the players, which is, to pass the time agreeably. Therefore, firstly: If it is agreed to play according to the strict rules, then those rules are to be exactly observed by both parties ; and should not be insisted on for one side, while deviated from by the other: for this is not equitable. Secondly. If it is agreed not to observe the rules exactly, but one party demands indulgences, he should then be as willing to allow them to the other. Thirdly. No false move should ever be made to extricate yourself out of a difficulty, or to gain an advantage. There can be no pleasure in playing with a person once detected in such unfair practices. Fourthly. If your adversary is long in playing, you ought not to hurry him, or express any uneasiness at his delay. You should not sing, nor whistle, nor look at your watch, nor take up a book to read, nor make a tapping with your feet on the floor, or with your fingers on the table, nor do any thing that may disturb his attention. For all these things displease ; and they do not show your skill in playing, but your craftiness or rudeness. Fifthly. You ought not to endeavour to amuse and deceive your adversary, by pretending to have made bad moves, and saying you have now lost the game, in order to make him secure and careless, and inattentive to your schemes; for this is fraud, and deceit, not skill in the game. Sixthly. You must not, when you have gained a victory, use any triumphing or insulting expression, nor show too much pleasure ; but endeavour to console your adversary, and make him less dissatisfied with himself by every kind and civil expression, that may be used with truth, such as, "You understand the game better than I, but you are a little inattentive ;" or, "You had the best of the game, but something happened to divert your thoughts, and that turned it in my favour." Seventhly. If you are a spectator while others play, observe the most perfect silence: For if you give advice, you offend both parties ; him, against whom you give it, because it may cause the loss of his game; him, in whose favour you give it, because, though it be good, and he follows it, he loses the pleasure he might have had, if you had permitted him to think till it occurred to himself. Even after a move or moves, you must not, by replacing the pieces, show how it might have been played better: for that displeases, and may occasion disputes or doubts about their true situation. All talking to the players, lessens or diverts their attention, and is therefore unpleasing: Nor should you give the least hint to either party, by any kind of noise or motion. If you do, you are unworthy to be a spectator. If you have a mind to exercise or show your judgement, do it in playing your own game when you have an opportunity, not in criticising, or meddling with, or counselling the play of others. Lastly. If the game is not to be played rigorously according to the rules above mentioned, then moderate your desire of victory over your adversary, and be pleased with one over yourself. Snatch not eagerly at every advantage offered by his unskillfulness or inattention; but point out to him kindly, that by such a move he places or leaves a piece in danger and unsupported; that by another he will put his king in a dangerous situation, &c. By this generous civility (so opposite to the unfairness above forbidden) you may, indeed, happen to lose the game to your opponent, but you will win what is better, his esteem, his respect, and his affection; together with the silent approbation and good will of impartial spectators.

La Moral del Ajedrez- por Benjamin Franklin, 1779 -- Ver en español

El Ajedrez es el juego más universal y antiguo conocido entre los hombres; su origen está más allá de la memoria de la historia, y ha sido para innumerables generaciones, el entretenimiento de todas las naciones civilizadas de Asia: los Persas, los Indios, y los Chinos. Europa lo ha tenido por algo más de mil años; los Españoles lo han esparcido sobre su parte de América, y recientemente empieza a hacer su aparición en estos Estados. Es tan interesante en si mismo, como para que no sea necesaria la visión de una ganancia material para inducir a practicarlo; y de allí que nunca se juegue por dinero. Aquellos, por lo tanto, que tienen ocio para tales diversiones, no pueden encontrar una que sea más inocente; y el siguiente texto, escrito con intención de corregir algunas pequeñas indecencias en su práctica (entre unos pocos jóvenes amigos), muestra al mismo tiempo que puede ser, en sus efectos sobre la mente, no meramente inocente, sino ventajoso, tanto para el vencido como para el vencedor. El Juego del Ajedrez no es meramente una vaga diversión. Varias cualidades muy valiosas de la mente, útiles en el curso de la vida, podrán ser adquiridas o reforzadas con él, hasta llegar a ser hábitos, listos en toda ocasión. La Vida es una clase de Ajedrez, en que tenemos a menudo puntos para ganar, y competidores o adversarios con los que contender, y en donde hay una vasta variedad de acontecimientos, buenos y malos, que son, en algún grado, los efectos de la prudencia o la necesidad de ella. Jugando al ajedrez, entonces, podemos aprender:

I. Previsión, que mira un poco hacia el futuro, y considera las consecuencias que puede tener una acción; lo que le ocurre continuamente al jugador, "Si muevo esta pieza, ¿cuáles serán las ventajas de mi nueva situación? ¿Qué uso puede hacer mi adversario de ella para molestarme? ¿Qué otros movimientos puedo hacer para sostenerla, y para defenderme de sus ataques?"

II. Circunspección, que inspecciona el tablero de ajedrez entero, o la escena de la acción, las relaciones entre las numerosas piezas y situaciones, los peligros a los que cada una de ellas está expuesta, las distintas posibilidades de apoyarse entre ellas, las probabilidades que el adversario pueda hacer éste o aquél movimiento, y ataque ésta o la otra pieza; y qué diferentes medios se pueden utilizar para evitar su golpe, o hacer tornar sus consecuencias contra él.

III. Cuidado, no hacer nuestros movimientos demasiado apresuradamente. Este hábito es adquirido mejor, observando estrictamente las leyes del juego, tales como, "Si usted toca una pieza, usted la debe mover a algún lugar; si usted la soltó, usted debe dejarla ahí" y, por lo tanto, cuanto mejor se observen estas reglas, el juego llega a ser más la imagen de la vida humana, y especialmente de la guerra, en que, si usted se ha puesto incautamente en una posición mala y peligrosa, no va a poder obtener permiso de su enemigo para retirar a sus tropas, y colocarlas en un ligar más seguro, pero debe asumir todas las consecuencias de su temeridad.

Y, por último, aprendemos por el ajedrez el hábito de no ser desalentados por las actuales malas apariencias en el estado de nuestros asuntos, de esperar un cambio favorable, y de perseverar en la búsqueda de recursos. El juego está tan repleto de acontecimientos, hay tal variedad de cambios en él, su suerte está tan sujeta a vicisitudes repentinas, y uno tan frecuentemente, después de la contemplación, descubre los medios de salir de una dificultad supestamente insuperable, que uno tiene el valor de continuar la contienda hasta el final, con esperanzas de victoria por nuestra propia habilidad o, por lo menos, de obtener un mate ahogado por la negligencia de nuestro adversario. Y quienquiera que considere, lo que en ajedrez es común ver, que pedazos particulares de éxito son propensos a producir la presunción, y su consecuencia, la falta de atención, frecuentemente debe su derrota a su ventaja anterior, mientras que las desgracias producen más cuidado y atención, por las cuales la pérdida se puede recuperar, y se aprenderá a no estar demasiado desanimado por el presente éxito del adversario, ni a desesperar por la buena fortuna final, por cada pequeño jaque que reciba en su persecución. Que podamos, por lo tanto, ser inducidos más frecuentemente a elegir esta diversión beneficiosa, en preferencia a otras que no tienen las mismas ventajas, cada circunstancia que pueda aumentar los placeres hacia ella se debe considerar; y cada acción o palabra que sea injusta, irrespetuosa, o que de alguna manera pueda dar intranquilidad, se debe evitar, siendo contraria a la intención inmediata de ambos jugadores, que es pasar el tiempo agradablemente. Por lo tanto, antes que nada: si se concuerda en jugar según las reglas estrictas, entonces esas reglas deberán ser observadas exactamente por ambos bandos; y no deben ser requeridas para un lado, mientras se dejen pasar por el otro: porque eso no es equitativo. En segundo lugar. Si se concuerda en no observar las reglas exactamente, pero un bando demanda indulgencias, entonces debe estar dispuesto a permitirlas al otro. Tercero. Ninguna jugada ilegal debe ser hecha jamás para salir de una dificultad, o para ganar una ventaja. No puede haber placer en jugar con una persona a la que alguna vez se detectó en tales prácticas injustas. Cuarto. Si su adversario se tarda en jugar, usted no lo debe apurar, ni expresar ninguna intranquilidad por su demora. No debe cantar, ni silbar, ni mirar su reloj, ni tomar un libro para leer, ni golpetear con sus pies en el piso, ni con los dedos sobre la mesa, ni hacer ninguna cosa que pueda perturbar su atención. Porque todas estas cosas desagradan; y ellas no muestran su habilidad para jugar, pero sí su astucia u ordinariez. Quinto. No debe intentar entretener y engañar a su adversario, fingiendo haber hecho malas jugadas, y diciendo que usted ahora ha perdido el juego, para que él se sienta seguro y se descuide, y esté poco atento a sus estratagemas; porque esto es un fraude y engaño, no habilidad en el juego. Sexto. No debe, cuando ha ganado una partida, utilizar cualquier expresión triunfante o insultante, ni demostrar demasiado placer; pero debe intentar consolar a su adversario para que quede menos disconforme, con cualquier expresión civilizada, que se puede utilizar con la verdad, tal como, "Usted entiende el juego mejor que yo, pero es un poco desatento;" o, "Usted tuvo mejor juego, pero algo sucedió para desviar sus pensamientos, y eso jugó en mi favor." Séptimo. Si usted es un espectador mientras otros juegan, observe el más perfecto silencio: Porque si usted da un consejo, ofende a ambos jugadores; aquel contra quien usted lo da, porque puede causar la pérdida de su juego; y el otro, a quien favorece, porque, aunque sea bueno, y él lo sigua, pierde el placer que podría haber tenido, si le hubiera permitido que él pensara hasta que se le ocurriera. Aún después que una jugada o varias, usted no debe, moviendo las piezas, mostrar cómo se podría haber jugado mejor: porque desagrada, y puede haber disputas o dudas acerca de la verdadera posición. Toda charla con los jugadores disminuye o desvía su atención, y es por lo tanto desagradable: Ni le debe dar la mínima pista a algún jugador, por cualquier clase del ruido o movimiento. Si usted lo hace, es indigno de ser un espectador. Si usted tiene en mente ejercitar o mostrar su juicio, hagalo al jugar su propia partida cuando tenga una oportunidad, no en criticar, o entremeterse, o aconsejar en el juego de los otros. Por último. Si el juego no fuera jugado rigurosamente según las reglas ya mencionadas, entonces modere su deseo de victoria sobre su adversario, y sea agradecido con alguien que lo supere. No aproveche con ansia cada ventaja ofrecida por su inhabilidad o falta de atención; pero indíquele amablemente, que con esa jugada coloca o deja una pieza amenazada y no defendida; que con esa otra pondrá a su rey en una situación peligrosa, etc. Por esta generosa cortesía (tan contraria a lo desagradablemente prohibido) puede suceder, verdaderamente, que usted pierda el juego con su adversario, pero usted ganará, lo que es mejor, su estima, su respeto, y su cariño; juntos con la aprobación silenciosa y buenos deseos de los espectadores imparciales.


(Traducción: Fernando Pedró


A Moral do Xadrez- por Benjamin Franklin, 1779 -- Ver em português


O jogo de xadrez é em si próprio tão interessante que não se torna necessário o desejo de ganho para induzir alguém a praticá-lo. Por isso nunca é jogado a dinheiro. Portanto, aqueles que dispoem de ócios para tais diversões, não podem encontrar outra mais inocente; e o seguinte trabalho, escrito com vistas a corrigir (entre alguns jovens amigos) certas pequenas impropriedades na prática do jogo, mostra, ao mesmo tempo, que ele pode, em seus efeitos sobre a mente, ser não apenas inocente, mas vantajoso, tanto para o vencido quanto para o vencedor.

O jogo de xadrez não é meramente um divertimento ocioso; diversas e muitas valiosas qualidades da mente, úteis no decurso da vida humana, são adquiridas e fortalecidas por meio dele, de modo a tornarem-se hábitos preparados para todas as ocasiões; pois a vida é uma espécie de xadrez, na qual temos pontos a ganhar e competidores ou adversários a enfrentar, e na qual existe uma ampla variedade de acontecimentos bons e maus, que são, em certo grau, os efeitos da prudência ou a falta dela. Assim, jogando xadrez, podemos aprender:

1° - Previsão, que olha um pouco para o futuro e considera as conseqüências que podem resultar de uma ação; pois está continuamente ocorrendo a um jogador: “Se eu mover esta peça, qual será a vantagem ou a desvantagem de minha nova situação? Que proveito pode meu adversário tirar dela para me prejudicar? Que outros movimentos posso fazer para apoiá-la e para defender-me de seus ataques?”

2º - Circunspecção, que examina todo o tabuleiro de xadrez ou cena de ação: a relação das diversas peças e suas situações; os perigos a que estão repetidamente expostas; as várias possibilidades de umas auxiliarem as outras; as probabilidades de o adversário poder fazer este ou aquele lance e atacar esta ou aquela peça; e os diferentes meios qeu podem ser empregados para evitar seu golpe e voltar contra ele suas conseqüências.

3° - Cautela, em não fazer nossos lances muito depressa. Este hábito é melhor adquirido obedecendo-se estritamente às regras do jogo, como estas; se você toca uma peça, deve mudá-la para algum lugar; se você a coloca sobre o tabuleiro, deve deixá-la ficar.

Portanto, o melhor meio será observar essas regras, pois assim o jogo se torna mais a imagem da guerra, na qual, se você se pôs imprudentemente numa posição má e perigosa, não poderá obter licença de seu inimigo para retirar suas tropas e colocá-las em maior segurança, mas deverá sofrer todas as conseqüências de sua temeridade.

E, finalmente, aprendemos através do xadrez o hábito de não nos deixarmos desencorajar pelas más aparências atuais no estado de nossos negócios; o hábito de esperar uma mudança favorável e o de perseverar na procura de recursos. O jogo é tão cheio de acontecimentos, existe nele tal variedade de reviravoltas, a fortuna dele é tão cheia de vicissitudes e com tanta freqüência, depois de contemplação, descobrimos os meios de escapar de uma dificuldade supostamente insuperável, que somos encorajados a continuar a adisputa até o fim, na esperança de vitória por nossa aptidão; ou, pelo menos, pela negligência de nosso adversário; e quem considerar que, como o xadrez oferece muitos exemplos, o êxito é capaz de produzir presunção e sua conseqüente desatenção, pela qual a perda pdoe ser recuperada, aprenderá a não ficar muito desencorajado por qualquer êxito presente de seu adversário, nem desesperar-se da boa fortuna final em face de todo pequeno golpe que receber ao persegui-la.

Que devemos portanto ser induzidos com mais freqüencia a escolher esse benéfico divertimento de preferência a outros... toda circunstância qeu possa aumentar o prazer dele deve ser considerada; e toda ação ou palavra que seja injusta... deve ser evitada, como contrária à intenção imediata de ambas as partes, que é passar agradavelmente o tempo.

Portanto, se for combinado jogar de acordo com as regras estritas, essas regras devem ser estritamente observadas por ambas as partes; e um lado não deve insistir nelas, enquanto o outro delas se desvia: pois isso não é eqüitativo.

Se for combinado não observar exatamente as rgras, mas uma parte pedir concessõe, deve ela então estar disposta a conferi-las à outra;

(...) Não se agarre àvidamente a toda vantagem oferecida pela inaptidão ou desatenção; mas mostre a seu adversário que com tal lance coloca ou deixa uma peça en prise sem apoio; que, por outro, coloca seu Rei numa situação perigosa, etc.

Por essa civilidade geral você poderá com efeito perder a partida; mas ganhará o que é melhor, sua estima, seu respeito e sua afeição; juntamente com a silenciosa boa vontade dos espectadores.


(Tradução: Aydano Arruda)


quarta-feira, 3 de setembro de 2008

As Brancas jogam e dão mate em um
White to play and mate in one
Las Blancas juegan y dan mate en una jugada

terça-feira, 26 de agosto de 2008

As Brancas jogam e dão mate em dois - Clique para ver a resposta

1.Cf8+, Txf8; 2.exf8=C#

White to play and mate in two - Click to see the answer

1.Nf8+, Rxf8; 2.exf8=N#

Las Blancas juegan y dan mate en dos - Haz click para ver la solución

1.Cf8+, Txf8; 2.exf8=C#

sábado, 16 de agosto de 2008

A. Karpov x J. Dorfman
Moscou, 1976


Play chess online!



*Nota - A partida acima é dada com os comentários do ex-campeão mundial G. Kasparov em seu livro Aprenda Xadrez com Garry Kasparov. (Tradução Bazán Tecnologia e Lingüística - Fábio Santos de Goes)

quarta-feira, 6 de agosto de 2008

Napoleão Bonaparte

Madame de Remusat vs Napoleão Bonaparte - Paris, 1802
Defesa Alekhine: Variante Maroczy - 01
Ver o jogo - See the game - Ver el juego





segunda-feira, 4 de agosto de 2008

As Brancas jogam e dão mate em dois - Clique para ver a resposta

1.d4, Rd6; 2.Ba3# ou 1.d4, Rf6; 2.Bg5#

White to play and mate in two - Click to see the answer

1.d4, Kd6; 2.Ba3# or 1.d4, Kf6; 2.Bg5#

Las Blancas juegan y dan mate en dos - Haz click para ver la solución

1.d4 ,Rd6; 2.Aa3# o 1.d4, Rf6; 2.Ag5#

sexta-feira, 1 de agosto de 2008

As Brancas jogam e dão mate em dois - Clique para ver a resposta

1.Rb7, Ra5; 2.Da6#

White to play and mate in two - Click to see the answer

1.Kb7, Ka5; 2.Qa6#

Las Blancas juegan y dan mate en dos - Haz click para ver la solución

1.Rb7 ,Ra5; 2.Da6#

quinta-feira, 31 de julho de 2008

As Brancas jogam e dão mate em três - Clique para ver a resposta

1.Txb8+!, Rxb8; 2.Dxe5+!, Abandonam pois se 2. ..., fxe5; 3.Tf8+ força mate. Jogadas com o Rei também permitem às Brancas dar mate.

White to play and mate in three - Click to see the answer

1.Rxb8+!, Kxb8; 2.Qxe5+!, Resigns for if 2. ..., fxe5; 3.Rf8+ forces mate. Moves of the Black King also allow White to mate.

Las Blancas juegan y dan mate en tres- Haz click para ver la solución

1.Txb8+!, Rxb8; 2.Dxe5+!, Abandonan porque se 2. ..., fxe5; 3.Tf8+ fuerza jaquemate. Se las Negras mueven su Rey tambien llevan jaquemate.

Mate em três

sábado, 26 de julho de 2008

A partida "Imortal"
The "Immortal" game
La partida "Inmortal"


Play chess online!


(Con comentários en español por Julio Ganzo.)
(Com comentários em espanhol por Julio Ganzo.)
(With comments in spanish by Julio Ganzo.)

sexta-feira, 25 de julho de 2008

Illustrirte Zeitung

Clique sobre a imagem para ampliar

Clique na imagem para ampliar.
Click on the image to zoom in.
Haz click en la image para ampliá-la.

O problema de xadrez acima foi extraído do jornal suiço de 1864 Illustrirte Zeitung.

The chess problem above was extracted from the Swiss newspaper of 1864 Illustrirte Zeitung.

El problema de ajedrez acima fue extraído del periódico suizo de 1864 Illustrirte Zeitung.

sábado, 19 de julho de 2008

As Brancas jogam e dão mate em dois
White to play and mate in two
Las Blancas juegan y dan mate en dos


Ver resposta - See the answer - Mirar solución

quinta-feira, 17 de julho de 2008

Como criar uma conta para jogar xadrez em Buho21.com
Como crear una cuenta para jugar ajedrez en Buho21.com
How to create an account to play chess in Buho21.com

Clique aqui - Haz click aqui - Click here

1. Acesse a página http://www.buho21.com/. - Enter the site http://www.buho21.com/. - Entra en la página http://www.buho21.com/.



2. Clique em Regístrate. - Click Regístrate button. - Haz cick en Regístrate.

3. Preencha os campos em branco obrigatórios (fig. abaixo). - Fill the necessary fields (img. bellow). - Llene los campos en blanco (img. abajo).


4. Clique em Seguimos. - Click Seguimos link. - Haz click en Seguimos.

5. Preencha os outros campos em branco e clique Crear cuenta. - Fill the other blank fields and click the Crear cuenta link. - Llene los otros campos y clique en Crear cuenta.
Sua conta está criada - Su cuenta está creada - Your account is created

quarta-feira, 16 de julho de 2008

segunda-feira, 30 de junho de 2008

Segundo Edward Lasker em seu livro A História do Xadrez esta é a lista elaborada por psicólogos das faculdades essenciais a qualquer pessoa para tornar-se um enxadrista de categoria:

  1. Alto grau de inteligência, embora não necessariamente de cultura. Um forte jogador de xadrez pode ter muito pouca cultura. Pode não saber mesmo ler ou escrever. Mas nunca será estúpido.
  2. Capacidade de pensar objetivamente. A presença de um adversário que compreende a lógica rigorosa de todas as relações no tabuleiro de xadrez deixa pouco lugar para interpretação subjetiva arbitrária.
  3. Capacidade de pensamento abstrato. As generalizações corretas, baseadas em experiências adquiridas em anos de prática, produzem o chamado "instinto posicional" do mestre de xadrez, que lhe permite deduzir o melhor lance em situações nas quais é impossível o cálculo exato.
  4. Capacidade de distribuir a atenção por diversos fatores diferentes, como os que estão sempre envolvidos numa "combinação". Isso evita que o jogador deixe de perceber certos lances, fraqueza que prejudica o jogo da maioria dos amadores.
  5. Vontade disciplinada, capaz de forçar a rapidez e concentração do processo de pensamento, sempre que necessário, até muito além da capacidade normal do jogador. Em contraste com o pensamento filosófico ou matemático, o pensamento do mestre de xadrez precisa às vezes de terrível intensificação momentânea, porque o xadrez é uma luta e o jogador tem de chegar a uma decisão dentro de certos limites de tempo. A consideração vagarosa de relações puramente lógicas, que pode resolver os problemas de um filósofo ou de um matemático, não levará à vitória o mestre de xadrez.
  6. Bons nervos e auto-controle. O jogador que não seja capaz de disciplinar suas emoções está sujeito a desmoralizar-se e jogar muito abaixo de sua força real. Precisa poder resistir à tensão da pressão do tempo, que abala muito os nervos, e quando o resultado é um erro que o leva à derrota numa partida quase ganha deve aceitar calmamente a situação.
  7. Auto-confiança. O mestre de xadrez deve ter uma confiança implícita em seu julgamento de posições, pois raramente é possível a análise pormenorizada de todas as variações pertinentes.

Esta última qualidade é uma que, nos jogadores de xadrez proeminentes, não precisa de desenvolvimento especial. Raramente são encontrados, em qualquer outro setor, mortais mais auto-confiantes. Uma história contada a respeito do mestre russo Efim Bogolyubov, e que se tornou clássica nos círculos enxadrísticos, é divertido testemunho desse fato. Quando um admirador lhe perguntou se preferia jogar com as peças brancas ou com as negras, ele respondeu: "Eu não tenho preferência. Quando jogo com as Brancas, ganho porque tenho o primeiro lance. Quando jogo com as Negras, ganho porque sou Bogolyubov." A auto-confiança, porém, e todas as outras qualidades mencionadas pelos psicólogos não levarão muito longe o mais bem dotado jogador, a menos que a elas se junte aquela perfeição técnica que, em nossa era científica, se tornou indispensável mesmo em setores onde uma imaginação rica pareceria ser de primordial importância. Tal perfeição técnica exige enorme volume de prática desde tenra idade. Exige também anos de estudo para assimilar o que os mestres do passado descobriram com o suor de seus rostos e acompanhar a massa sempre crescente de análises contemporâneas de jogo de abertura. Nem a prática e um conhecimento enciclopédico serão suficientes para manter um mestre à frente de seus competidores. Por estranho que pareça, sua disposição física é quase igualmente importante. O estado de saúde de um mestre sempre afeta sua contagem num torneio. Precisa ter o vigor necessário para manter claras as suas ideias durante as quatro ou cinco horas de uma sessão de jogo. Caso contrário estará sujeito a perder a melhor das posições através de um erro decisivo.


sábado, 28 de junho de 2008

PROBLEMA DA SEMANA
THIS WEEK'S PRACTICE
ENTRENO DE LA SEMANA


quinta-feira, 19 de junho de 2008

Busto de Paul Morphy, de Eugene Lequesne, 1858
Paul Morphy's Bust, by Eugene Lequesen, 1858

TREINO DA SEMANA
THIS WEEK'S PRACTICE
ENTRENO DE LA SEMANA
Defesa Petroff
Petroff Defense
Defensa Petroff

Play chess online!

As Brancas jogam e ganham - Ver a resposta
White to play and win - View the answer
Las Blancas juegan y ganan - Ver la solución

segunda-feira, 16 de junho de 2008

Gambito da Dama
Queen's Gambit
Gambito de la Dama


MATE DE LÉGAL - Defesa Filidor
Clique aqui para ver outras variantes
BLACKBURNE TRAP - Philidor Defense
Click here to see other variations
MATE DEL LÉGAL - Defensa Filidor
Pulsa aqui para ver las otras variaciones
Play chess online!

segunda-feira, 9 de junho de 2008

En especial a los amigos de lengua española que juegan en Buho 21 les dejo esa magnífica partida de Capablanca cuando tenía solamente 13 años contra un adversario de 28.

Play chess online!

* Los comentarios son extraedos del libro Los Niños Prodigio del Ajedrez de Pablo Morán.
Peão Dama
Queen's Pawn
Peón de Dama



Play chess online!

Ciladas e partidas famosas
Celadas y partidas famosas
Famous traps and games




Veja as novas publicações aqui.
See the new publications here.
Vea las nuevas publicaciones aqui.


Uma variante do Mate Légal
Una variante del Mate Légal
A variant of the Légal Mate




segunda-feira, 2 de junho de 2008

Brancas jogam e ganham
White to play and win
Las Blancas juegan y ganan



Como criar um peão passado
How to create a passed pawn
Como crear un peón pasado




As Brancas jogam
Clique aqui para ver a resposta

White to play
Click here to view the answer

Las Blancas juegan
Pulsa aqui para ver la solución

Treino da semana - Problema de final



Estudar essa posição
***************
Estudiar esa posición
***************
Study this position

A funny story about Emanuel Lasker

One day in 1924, on the ship that was bringing him from Europe to New York for the great tournament that he was going to win, Lasker was
strolling in the smoking room and paused at a table where an unknown gentleman was studying a chess position.

“Do you also play chess?” asked the man. “Once every few years,” Lasker replied, more or less truthfully, as since his match against Capablanca in 1921 he had played only one serious tournament. The man proposed to play a game and as he considered himself a good player and his opponent was clearly inexperienced, he proposed to give queen odds. If that would prove too much, they could try another game with rook odds, and so on until the odds were such that they would play with even chances.

Lasker accepted and given queen odds he cleverly managed to lose two games. Then he said that during these games he had gotten the distinct impression that it might be an advantage to play without the queen, because the king, having an empty square next to him, had more freedom of movement. Would he be allowed to play another game, giving queen odds himself? At first his opponent remonstrated that this was a silly proposal, but as he was a pleasant man who didn't want to be rude to a fellow chessplayer, eventually he gave in. The next two games were won by Lasker, playing without his queen, which left his opponent in bewilderment about the nature of the game of chess, which was only resolved when later he found Lasker's name on the passenger's list.


PROBLEMAS DE XADREZ

Encontre e me envie a resposta para estes problemas (clique aqui)
Find the answer to these problems and send it to me (click here)
Encuentre y envie la solución de eses problemas para mi (haz click aqui)

MY E-MAIL

COMMENT THIS

A "Partida Imortal" - The "Immortal Game"

Brancas - Adolf Anderssen
Pretas - Lionel Kieseritsky
Londres, 1851


Clique aqui para ver outros jogos

Problema do dia (03/06/2008) - Problem of the day (03/06/2008)


As Brancas jogam e ganham
-----------------------------
White to play and win
-----------------------------
Las Blancas juegan y ganan

quarta-feira, 28 de maio de 2008

Problema do dia (02/06/2008) - Problem of the day (02/06/2008)


As Pretas jogam e empatam
---------------------------
Black to move and draw
---------------------------
Negras juegan y empatan

Treino da semana - O Problema de Réti


Brancas ao lance - White to move - Las Blancas moven
--------------------------------------------------------
Como fazem as Brancas para ganhar?
Vá com calma e preste atenção em todas possibilidades para as Pretas.
--------------------------------------------------------
How can white win?
Take it easy and try to see all possibilities for black.
--------------------------------------------------------
¿Como hacen las Blancas para ganar?
Piense con calma e intente llegar a la solución.

Veja algumas partidas famosas... - See some famous games



Clique aqui para ver outros jogos publicados recentemente
Click here to see other games recently published

Página de problemas - Problems page

Novos problemas de xadrez
New chess problems
Nuevos problemas de ajedrez


sábado, 10 de maio de 2008

Inglês e espanhol

Os leitores verão que estou colocando alguns títulos e comentários em espanhol e inglês. Isto é para facilitar para os colegas do Buho21 que são de outros países.

Página de problemas de xadrez


Fotos do torneio

Clique aqui para ver algumas fotos do último
torneio do Circuito Valeparaibano de Xadrez (AVPX)
ocorrido em São José dos Campos

Problema de xadrez - Brancas jogam e dão mate em três

Você consegue descobrir a resposta para este problema?


As Brancas jogam e dão mate em três lances
***
White to play and mate in three moves
***
Las Blancas juegan y dan mate en tres

Resultado do torneio interno de sábado, 17-5-2008

Veja abaixo o resultado do nosso torneio interno (Ginásio de Esportes - Bosque dos Eucaliptos, em São José dos Campos - SP)

(Clique sobre a imagem para aumentar)

Sacrifício da Dama - brancas jogam e ganham


Brancas jogam e ganham
Tendo sacrificado uma Torre, as Brancas sacrificam
agora a Dama - temporária mas brilhantemente.

terça-feira, 29 de abril de 2008

Classificação - AVPX


Acima a classificação do pessoal do nosso treino de xadrez que foi ao torneio da AVPX

Brancas jogam - empate


As Brancas jogam e empatam

A tarefa de empatar este jogo parece absolutamente impossível. O Peão das Pretas está bem avançado, e o Rei das brancas só pode ver o seu Peão na casa c6 com um potente binóculo. No entanto as Brancas acham uma forma de empatar. Você pode achar os lances certos?

Problema de mate - Paul Morphy


Negras jogam e ganham - em sete lances forçados Morphy dá cheque mate
Você consegue achar sozinho uma vitória rápida para as negras?
Esta posição ocorreu na partida J. Schulten - P. Morphy
Nova York, 1857

terça-feira, 22 de abril de 2008

Mate em três


Brancas jogam e dão mate em três. Qual a resposta?

quarta-feira, 16 de abril de 2008

Alexander McDonnell x Louis-Charles de la Bourdonnais


Belíssima posição em que os pequenos peões negros
derrotam as peças maiores adversárias.
A partida é dada a seguir:


Brancas - Alexander McDonnell
Negras - Louis-Charles de la Bourdonnais
Londres, 1834

1.e4, c5; 2.Cf3, Cc6; 3.d4, cxd4; 4.Cxd4, e5; 5.Cxc6?, bxc6; 6.Bc4, Cf6; 7.Bg5, Be7; 8.De2, d5! 9.Bxf6, Bxf6; 10.Bb3, 0-0; 11.0-0, a5! 12.exd5, cxd5; 13.Td1, d4; 14.c4?, Db6; 15.Bc2, Bb7; 16.Cd2, Tae8! 17.Ce4, Bd8; 18.c5, Dc6; 19.f3, Be7; 20.Tac1, f5; 21.Dc4+, Rh8! 22.Ba4, Dh6; 23.Bxe8, fxe4! 24.c6, exf3! 25.Tc2, De3+ 26.Rh1, Bc8; 27.Bd7, f2; 28.Tf1, d3; 29.Tc3, Bxd7; 30.cxd7, e4; 31.Dc8, Bd8; 32.Dc4, De1! 33.Tc1, d2; 34.Dc5, Rg8; 35.Td1, e3; 36.Dc3, Dxd1! 37.Txd1,e2; 38.abandonam 0-1

terça-feira, 15 de abril de 2008

Partida Morphy x Duque de Brünswick


Posição final da famosa partida Paul Morphy x Duque de Brünswick
e Conde Isouard - Paris, 1858
A partida é dada a seguir:
Brancas - Paul Morphy
Negras - Duque de Brünswick e Conde Isouard
Paris, 1858
1.e4, e5; 2.Cf3, d6; 3.d4, Bg4? 4.dxe5!, Bxf3; 5.Dxf3, dxe5; 6.Bc4, Cf3; 7.Db3, De7; 8.Cc3, c6; 9.Bg5, b5; 10.Cxb5!, cxb5; 11.Bxb5+, Cbd7; 12. 0-0-0, Td8; 13.Txd7!, Txd7; 14.Td1, De6; 15.Bxd7+, Cxd7; 16.Db8+!, Cxb8; 17.Td8++

segunda-feira, 14 de abril de 2008

O empate por afogado mais curto

Posição incrível de empate por afogado no 10° lance.



Você conhece o empate por afogado (stalemate) mais curto no Xadrez?
A partida a seguir foi jogado no Campeonato Júnior Sueco - 1995

1.c4, h5; 2.h4, a5; 3.Dh4, Ta6; 4.Dxa5, Tah6; 5.Dxc7, f6; 6.Dxd7+, Rf7; 7.Dxb7, Dd3; 8.Dxb8, Dh7; 9.Dxc8, Rg6; 10.De6 empatam 1/2

Problema - meio jogo



Baseando-se na situação precária da Dama negra as
brancas fazem uma rápida combinação para capturá-la.

sábado, 12 de abril de 2008

Brancas jogam



O máximo que as negras podem conseguir é chegar num final de rei e peão. Porém as brancas, com três peões de vantagem, ganham facilmente.

quinta-feira, 10 de abril de 2008



BRANCAS - Richard Réti
NEGRAS - Savielly Tartakover
Viena, 1910

Nesta conhecida posição as brancas,
com um belo sacrifício da Dama, dão
cheque-mate em três lances.

Clique aqui para ver a resposta

Brancas jogam e ganham


Brancas jogam e ganham. Como fazem?

quarta-feira, 9 de abril de 2008

Brancas jogam e ganham



Nesta posição bem conhecida brancas jogam e ganham.
Qual a melhor jogada?
Clique aqui para ver a resposta

Brancas ao lance ganham



Brancas jogam e ganham. Qual o lance correto?

segunda-feira, 31 de março de 2008

Problema de mate - Anderssen

Brancas jogam e dão mate em três

Clique aqui para ver a resposta

sexta-feira, 28 de março de 2008

Lasker x Desconhecido

No primeiro dia de uma viagem através do Atlântico, quando caminhava pelo salão de fumar, Lasker viu
um homem sentado sozinho a uma mesa de xadrez, meditando sobre uma posição. Ao passar perto da mesa, Lasker casualmente olhou para a posição e o estranho perguntou-lhe se jogava xadrez. “Oh! De vez em quando”, respondeu Lasker. “Bem, então sente-se e vamos jogar algumas partidas”, convidou o outro. “Eu jogo muito e podemos compensar sua falta de experiência com uma vantagem. Dou-lhe a vantagem da Dama na primeira partida. Se o senhor ganhar, a vantagem passará a ser de Torre e assim por diante até descobrirmos nossa força relativa.” “Para mim, está muito bem”, respondeu Lasker, planejando dar uma pequena lição ao homem.

Deixou-o ganhar a primeira partida rapidamente, experimentando-lhe a força, e em seguida conseguiu perder uma segunda partida sem despertar a menor suspeita na mente do adversário. Antes da terceira partida, Lasker disse: “Deve haver alguma vantagem em jogar sem a Dama. Talvez porque o Rei fica com maior liberdade de movimento quando o espaço ao seu lado não está ocupado. Deixe-me dar-lhe a Dama desta vez. Penso que assim me sairei melhor.”

O outro riu: “Mas, que absurdo! Eu o derrotei duas vezes dando-lhe a vantagem da Dama e o senhor quer jogar comigo sem a sua Dama! Isso seria realmente ridículo!” Lasker, porém, mostrou-se obstinado e o homem teve de ceder. Naturalmente, Lasker derrotou-o. Um tanto aturdido, seu adversário explicou: “Bem, eu não prestei realmente muita atenção. Talvez eu o tenha menosprezado. Vamos jogar agora uma partida em igualdade de condições.” Lasker não concordou. Insistiu em dar de novo a Dama e ganhou outra vez. Desta vez, seu adversário não soube mais o que dizer. Descobriu, porém, como havia passado por bobo, quando encontrou o nome de Emanuel Lasker na lista de passageiros.

(De A Aventura do Xadrez, de Edward Lasker)

sábado, 1 de março de 2008

Problema dos peões



As brancas jogam e ganham. Qual é o lance correto?

sexta-feira, 29 de fevereiro de 2008

Problema de cheque-mate




As brancas descobrem uma seqüencia de mate, baseando-se no fato do rei negro, sem a cobertura de peões, estar muito exposto.

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2008

Sacrifício da Dama

A seguinte posição ocorreu durante a partida E. Lasker x G. Thomas - Londres, 1911



Após um belo sacrifício da dama as brancas dão mate em 7 lances.
Clique aqui para ver a resposta